quarta-feira, 22 de agosto de 2018

The Way of Kings, Part 2 - Brandon Sanderson

   "According to mythology mankind used to live in The Tranquiline Halls. Heaven. But then the Voidbringers assaulted and captured heaven, casting out God and men. Men took root on Roshar, the world of storms. And the Voidbringers followed ...
   They came against man ten thousand times. To help them cope, the Almighty gave men powerful suits of armor and mystical weapons, known as Shardblades. Led by ten angelic Heralds and ten orders of knights known as Radiants, mankind finally won.
   Or so the legends say. Today, the only remnants of those supposed battles are the Shardblades, the possession of which makes a man nearly invincible on the battlefield. The entire world is at war with itself - and has been for centuries since the Radiants turned against mankind. Kings strive to win more Shardblades, each secretly wishing to be the one who will finally unite all of mankind under a single throne.
   On a world scoured down to the rock by terrifying hurricanes that blow through every few days is a young spearman, forced into the army of a Shardbearer, led to war against an enemy he doesn't understand and doesn't really want to fight.
   What happened deep in mankind's past?
   Why did the Radiants turn against mankind, and what happened to the magic they used to wield?"


   Boas Leitores!
   E aqui estamos para opinar sobre a segunda parte da obra de Brandon Sanderson, The Way of Kings. Como referi antes, este livro está dividido em dois, nesta edição. O segundo livro da saga, Words of Radiance também está dividido em dois, felizmente o terceiro é apenas um volume.
   Esta segunda metade não desilude de todo. A história continua entusiasmante, acrescentando mistérios em cima de mistérios à medida que o leitor vai percebendo como é que o mundo funciona. Por cada detalhe que percebemos ao ler esta obra, e que nos faz entranhar mais neste mundo fictício, mais na mente das personagens ficamos e, com elas, mais perdidos nos sentimos naquele mundo gigantesco.
   Mas isto é propositado, e brilhantemente. Brandon Sanderson consegue escrever de tal forma que nos sentimos as personagens nos livros dele. E não só sentimos isso como nos damos a perceber tudo como as personagens se sentem, inclusive a informação que eles têm. Para além disso os dilemas pessoais que os vários protagonistas passam são palpáveis e com os quais facilmente nos relacionamos, o que só torna mais real a história.
   O final da obra foi também genial por várias razões. Primeiro teve a sua parte de coisas a acontecer que pudessem alegrar o leitor. Segundo, temos uma abertura para os mistérios que estão por vir na saga. Por fim ficamos boquiabertos com os últimos acontecimentos e sedentos de mais pormenores. Por essa razão não julgaria ninguém se tivessem já a ler a segunda obra desta brilhante saga.
   Acho que não preciso de convencer ninguém a ler esta obra, mas se ainda houver alguém que não esteja convencido: Vão já ler! Vale mesmo a pena! Caso queiram saber mais sobre o volume anterior, basta seguirem o link: Crítica - The Way of Kings, Part 1
   Boas Leituras... ;)
10/10

André

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

The Way of Kings, Part 1 - Brandon Sanderson

   "Roshar is a world of stone and storms. Uncanny tempests of incredible power sweep across the rocky terrain so frequently that they have shaped ecology and civilization alike. Animals hide in shells, trees pull in branches, and grass retracts into the soilless ground. Cities are built only where the topography offers shelter.
   It has been centuries since the fall of the ten consecrated orders known as the Knights Radiant, but their Shardblades and Shardplate remain: mystical swords and suits of armor that transform ordinary men into near-invincible warriors. Men trade kingdoms for Shardblades. Wars are fought for them, and won by them.
   One such war is about to swallow up a soldier, a brightlord and a young woman scholar.
   Widely acclaimed for his work completing Robert Jordan’s Wheel of Time saga, Brandon Sanderson now begins a grand cycle of his own, one every bit as ambitious and immersive."

   Boas Leitores!
   E lá começamos uma nova saga (desta vez não é culpa minha, mas sim do podcast Em Busca da FantaCiência, já ouviram?) e esta saga é das bem grandes. Planeada para ter 10 livros, apenas os três primeiros estão publicados ainda, mas da maneira que Brandon Sanderson escreve não deve faltar muito até termos mais alguns. Este primeiro livro está dividido em dois na edição que estou a ler, pelo que verão aqui duas opiniões ao mesmo livro. O segundo livro da saga tem a mesma construção, por assim dizer, mas esse ficará para mais tarde.
   E como sempre este grande autor não nos desilude. Começando pelo worldbuilding fantástico com a forma como o planeta, a fauna e a flora do mesmo que estão desenhados para esta história é algo extraordinário.
   Este primeiro volume é ainda uma pequena amostra do que está para vir, tem muito de conhecer novas personagens, entender como é que o mundo funciona e ainda tentar perceber qual é o enredo principal e onde é que levará o leitor. Mas isso é algo que o leitor não precisa de se preocupar muito, porque só este primeiro volume já tem muitas questões a serem levantadas e muitas explicações a serem dadas também. Tudo no seu equilíbrio perfeito que deixa-nos sempre a querer ler mais um capítulo.
   As personagens têm todas grandes qualidades e estão escritas brilhantemente. Qualquer das três personagens principais tem os seus quês de querer saber mais deles. Apesar de Shallan, uma das personagens que temos apenas um pouco de informação no início da obra não voltar a aparecer até muito mais tarde. Esta foi das personagens que mais me intrigou, não que Kaladin ou Dalinar não o tivessem feito, todos eles são fascinantes.
   Vale totalmente a pena, e se fosse eu a vocês ia já arranjar o livro e punha-me a ler... Ainda vão a tempo para lerem com o podcast "Em Busca da FantaCiência"!
   Boas Leituras... ;)
9/10

André