quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

A Jornada do Assassino - Robin Hobb

   "Depois do desafio lançado ao Príncipe Respeitador pela narcheska das Ilhas Externas, só lhe resta embarcar para o país de Eliânia em busca do dragão de Aslejval que tanto pode existir como não passar de uma lenda antiga.
   Fitz, o mais famoso e temido assassino do reino, irá com ele. Mas a partida do herdeiro do trono dos Seis Ducados para uma atribulada viagem marítima até uma terra de antepassados e inimigos não é algo que se faça de ânimo leve.
   Que desafios irão ter de enfrentar os nossos heróis? As magias que ambos manejam imperfeitamente, serão uma ajuda ou um empecilho? E o que acontecerá aos Seis Ducados se o herdeiro desaparecer para sempre nessa terra misteriosa e distante?"

   Boas Leitores!
   E Robin Hobb está de volta ao blogue, quase meio ano depois do último livro lido desta autora, continuamos a saga "O Regresso do Assassino" com o quarto e penúltimo volume, intitulado A Jornada do Assassino. Esta obra é a primeira metade do terceiro livro em inglês.
   Uma vez mais somos apanhados na escrita maravilhosa de Robin Hobb. Esta autora demonstra em todas as suas obras o porquê de ser considerada uma das grandes escritoras de fantasia. A escrita fluída captura-nos desde o início e guia-nos por uma história interessante, com um desenvolvimento de personagens extraordinariamente cativante.
   O enredo é lento, não há grandes acções ou batalhas a acontecer, baseando-se muito mais em preparação para uma grande viagem e a viagem em si. No entanto, a autora consegue utilizar estes momentos para desenvolver as personagens e criar mistério e intriga que mantém o leitor sempre atento. E isto é válido não só para Fitz, o protagonista, mas também para muitas das personagens que o rodeiam. Ao longo desta obra conseguimos ver o desenvolver e amadurecer de Respeitador e Urtiga, Obtuso e até mesmo o Bobo.
   E ao verem isto talvez pensem "eh, então é só uma obra com muito falatório e muito andar dum lado para o outro?". Inicialmente pode parecer assim, mas continua a haver uma espécie de nervosinho miúdo que cresce à medida que nos aproximamos do destino final. Há um acumular de tensão quando as pontas soltas vão aproximando-se cada vez mais umas das outras. Quando acabei esta obra senti-me extenuado. Acho até que os editores decidiram uma boa altura onde dividir a obra, se continuasse a ler a outra metade poderia assumir que a obra seria demasiado extensa e esta primeira parte um pouco desnecessária. Assim acho que ficou ideal.
   Continuo a estar desejoso de ler o próximo livro, que é, aliás, o último desta saga, e descobrir como é que as coisas vão acabar, afinal qual será o destino de algumas das personagens que acompanhamos nesta obra, e que mistérios ainda estão para nos ser ditos? Caso queiram saber mais sobre esta saga, basta seguirem o seguinte link: Crítica - Sangue do Assassino
   Boas Leituras... ;)
8.5/10

André

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Histórias de Aventureiros e Patifes - Vários Autores

   "Há personagens malandras e sem escrúpulos cujo carisma e presença de espírito nos faz estimá-las mais do que devíamos. São patifes, mercenários e vigaristas com códigos de honra duvidosos mas que fazem de qualquer aventura uma delícia de ler.
   George R. R. Martin é um grande admirador desse tipo de personagens - ou não fosse ele o autor de A Guerra dos Tronos. Nesta monumental antologia, não só participa com um prefácio e um conto introduzindo uma das personagens mais canalhas da história de Westeros, como também a organiza com Gardner Dozois. Se é fã de literatura fantástica, vai deliciar-se!"

   Boas Leitores!
   Desta feita há vários autores a entrar em cena! E com eles grandes contos. Contamos com dez autores diferentes: Neil Gaiman, David W. Ball, Gillian Flynn, Paul Cornell, Scott Lynch, Phyllis Eisenstein, Joe R. Lansdale, Patrick Rothfuss, Connie Willis e George R. R. Martin. Esta é uma antologia que gira à volta de aventureiros e patifes (tal como o título sugere), e apesar de haver outras obras organizadas por George R. R. Martin e Gardner Dozois com títulos semelhantes como Histórias de Vigaristas e Canalhas estas obras não estão relacionadas umas com as outras.
   Como seria de esperar há contos que sobressaem muito mais ao leitor (ou pelo menos a mim) e que me conseguem capturar de forma fascinante, entre eles, os meus favoritos foram Neil Gaiman, Scott Lynch e Patrick Rothfuss. Este foi o meu pódio, sendo que o primeiro lugar seria muito difícil de dar. São contos extraordinários, Neil Gaiman com o mundo de Neverwhere, e Patrick Rothfuss com o seu mundo de As Crónicas do Regicida são contos que já têm uma base, mas podem perfeitamente ser lidos isoladamente. Já Scott Lynch dá um conto num qualquer universo que é só fantástico! A capacidade de escrita destes três leitores é extraordinária que conseguem capturar o leitor em menos de nada, mesmo com conceitos abstractos como estes três autores fizeram.
   Há muitos outros que estão bons mas, a meu ver, não ao nível destes três, e esses são George R. R. Martin, Gillian Flynn, Phyllis Eisenstein e Connie Willis. O primeiro por ser apenas pequenos doces de história de Westeros, um relato apenas, não tem um grande enredo ou novidade em si. Os outros são todos autores que ainda não li, mas que foi certo terem criado uma faísca de curiosidade em mim, e estarei atento a livros deles.
   Por fim, vêm os piores, David W. Ball, Paul Cornell e Joe R. Lansdale. Foram os contos que menos me apelaram e que estava em constante pensamento de "quero passar para o próximo, rápido.", por vezes era o enredo que não apelava, outros casos as personagens não pareciam ter nenhum impacto no leitor, e outras tantas quase não entendia o porquê daquela história estar incluída no livro.
   Em suma, é uma boa obra para conhecer novos autores e, em casos como Patrick Rothfuss, Neil Gaiman ou George R. R. Martin, ter mais conhecimento sobre os grandes universos que eles criaram, o que é sempre prazeroso.
   Boas Leituras... ;)
7.5/10

André

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Os Contos de Beedle o Bardo - J. K. Rowling

   "Os contos de Beedle o Bardo oferecem-nos cinco histórias de feitiçaria, cada uma com a sua magia muito própria, que prometem deliciar, divertir e até arrepiar os leitores.
   Cada conto é acompanhado de notas da autoria do Professor Albus Dumbledore, que agradarão tanto a Muggles como a feiticeiros. O Professor reflecte sobre as questões morais levantadas nos contos, ao mesmo tempo que revela pequenos detalhes sobre a vida em Hogwarts.
   Este é um livro mágico, único e intemporal, escrito e ilustrado por J. K. Rowling, autora da famosa série Harry Potter."

   Boas Leitores!
   Mais uma vez aqui estamos, desta vez com uma obra pequeníssima, pouco mais de cem páginas, mas de uma autora famosa por todo o mundo, J. K. Rowling. Não estamos a falar das suas obras policiais nem nada do género, sim, voltamos uma vez mais ao mundo de Harry Potter, com pequenos contos infantis.
   Para quem não conhece, esta obra é uma colectânea de cinco contos infantis, supostamente contados às crianças feiticeiras, entre eles o "Conto dos Três Irmãos" que já apareceu antes na saga Harry Potter. Não é de todo a grande obra da autora, mas com toda a certeza servirá para adoçar os fãs da saga, com pequenos bombons sobre o mundo de Hogwarts.
   Como obra de contos, não há um seguimento de personagens nem um grande enredo de que se possa falar. Há, no entanto, algo que possamos apreciar tendo um background no mundo de Harry Potter: as anotações de Dumbledore. São estas que fazem a ponte entre os contos que lemos e como eles se adaptam ao mundo da feitiçaria, quer na altura que foram escritos, quer na actualidade de Hogwarts.
   Estes contos de carácter infantil trazem com eles sempre uma moral, tal como os contos infantis para Muggles e embora não tenham normalmente princesas a serem salvas por príncipes, conseguiria ver este tipo de histórias a serem contadas a crianças.
   É uma obra que, dentro do género e público-alvo a que é sujeito cumpre os objectivos. Não sendo de todo uma grande obra-prima, como seria de esperar.
   Boas Leituras... ;)
6.5/10
André

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O Terceiro Desejo - Andrzej Sapkowski

   "O seu nome é Geralt de Rivia. Dizem que é um bruxo e um assassino sem misericórdia que vagueia pelo mundo à caça de monstros e predadores. Mas na verdade vive de acordo com o seu próprio código de conduta. A sua espada serve, em troca de uma recompensa, poderosos reis amaldiçoados, mas também os mais desfavorecidos.
   Ao longo das suas viagens, Geralt encontra todo o tipo de criaturas - algumas saídas da mitologia eslava e dos contos populares dos irmãos Grimm - como vampiros e lobisomens, elfos, quimeras e estriges, trolls e génios que o tentam, satisfazendo todos os seus desejos.
   Mas este é apenas o início das suas aventuras como viajante e feiticeiro que irá desafiar o destino num mundo em que as criaturas de todas as raças coabitam numa paz precária prestes a despedaçar-se..."

   Boas Leitores!
   O primeiro mês do ano já começou e estamos a começar o ano a começar variadas sagas. Esta é uma delas, a saga The Witcher que conta já com três volumes em português e muitos mais na língua original. Para quem jogou o famoso jogo The Witcher 3 tenham em atenção que esta obra não é a total adaptação do jogo. É certo que o jogo utilizou alguns destes contos e incorporou-os na história, mas não seguem a mesma "linha temporal", digamos assim.
   Esta obra tem um formato ligeiramente diferente. É uma obra de contos (até aqui nada de novo) só que todos os contos são sobre a mesma personagem, Geralt de Rivia. É quase como se o leitor apanhasse pequenos vislumbres da sua vida, pequenos episódios das suas aventuras. E parecendo que não, esta é uma forma excelente de se ir conhecendo um protagonista aos poucos e poucos. Dá-nos os pormenores aos poucos, de forma coerente e sem que seja forçado de maneira alguma. Quanto a esta característica tenho de dar o meu aval positivo.
   Agora quanto a enredo. Como disse antes, a obra está dividida em contos, não existe propriamente um enredo à volta deste livro. Temos um conto que é estendido ao longo de todos os outros contos, o que dá uma espécie de continuidade à história, mas nada de muito complexo. Mesmo assim há várias partes dos variados contos que são propositadamente deixadas em aberto, para que possam ser desenvolvidas nos futuros livros. E por outro lado, alguns dos contos souberam demasiado aos irmãos Grimm, a mais uma tentativa de distorcer os contos para ficarem mais sombrios. Mas atenção, não estou a dizer que tenha ficado mal feito, pelo contrário, alguns destes contos estão geniais. Apenas esperava uma novidade por toda a obra em vez de serem apenas alguns dos contos a novidade, talvez este meu problema seja resolvido no próximo volume onde teremos mais contos.
   Com o final desta obra, é certo que o leitor ficará curioso para saber mais sobre as personagens apresentadas, especialmente com o facto de haver várias questões deixadas em aberto. Veremos se o próximo volume conseguirá responder a pelo menos algumas delas.
   Boas Leituras... ;)
7/10

André

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Attack on Titan Vol.1 - Hajime Isayama

   "For the past century, what's left of mankind has hidden in a giant, three-walled city, trapped in fear of the bizarre, giant humanoids known as the Titans. Little is known about where they came from or why they are bent on consuming humankind, but the sudden appearence of an enormous Titan is about to change everything..."

   Boas Leitores!
   Começamos uma nova saga de mangá! Attack on Titan é uma das novas sagas em que apostámos para poder ter grandes momentos de leitura! Esta saga tem actualmente vinte e quatro volumes publicados e já há mais dois com datas previstas para 2018.
   Como muitos de vós devem saber, esta saga tem já um anime que teve imenso sucesso. Eu vi esse tal anime e foi graças a ele que a minha curiosidade pelo mangá foi despertada. Ao fim de ler o primeiro volume tenho a dizer que foi em parte bem sucedida e noutra parte nem tanto.
   Quanto à fidelidade da história entre mangá e anime é fantástico como estão idênticas. Diria até fala por fala. Ao ler este volume senti que estava a assistir aos primeiros episódios da série e toda aquela emoção foi trazida de volta. Desde o suspense, passando pelo horror ao ver algumas das imagens mais sangrentas e até àquela esperança que o protagonista nos traz e por fim ao grande cliff-hanger/surpresa desoladora que surge.
   O enredo é deveras interessante, o primeiro volume consegue agarrar um leitor de forma rápida, mas isso também seria de esperar. É o momento decisivo entre começar uma nova saga ou não. O autor tem de agarrar os leitores logo de início. Quanto a personagens, percebemos já que os protagonistas têm bons backgrounds que eventualmente serão explorados e há várias personagens secundárias que são também apresentadas, dando já um ambiente confortável ao leitor.
   Algo de que não apreciei muito foi a arte dos titãs. No anime apesar de estranha é algo que traz o seu quê de estranheza que nos faz comichão no nosso interior, algo muito errado. No mangá isso não acontece. Quero dizer, alguns deles continuam a estar muito bem, mas o desenho dos titãs a mexerem-se está algo cartoonizado, o que não esperava. Talvez seja algo que vá melhorando ao longo dos volumes, logo veremos.
   Foi um bom início no geral, agora é vermos como é que a viagem corre daqui em diante.
   Boas Leituras... ;)
8/10

André