quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

A Ascensão de Arcana - Rafael Loureiro

   "Neste segundo volume da Trilogia Nocturnus entramos uma vez mais num universo intenso de romance, aventura e emoções fortes. Passaram-se quase seis anos desde a derrota do tirano Alexandre Phoenix, Arcana floresce agora sob a regência de Janus MoonHunter. Mas, no seu íntimo, Daimon ouve ainda o sussurro que lhe segreda que algo está errado. Será que os 328 anos da sua existência estão a enlouquecê-lo lentamente? Um terrível acontecimento abate-se sobre os vampiros de Arcana: a Lei do Silêncio - «Não revelarás a tua verdadeira Natureza ao Homem» - é quebrada! A Daimon, Janus, Andrew, Lilia, Pandora e Ascelli juntam-se agora três outros vampiros, enviados a Arcana para ajudar a encontrar e punir aqueles que desafiaram quebrar a Lei. Mas também estes forasteiros guardam segredos, e estranhos acontecimentos levam Daimon a desconfiar que o culpado poderá estar mesmo a seu lado..."

   Boas leitores!
   Voltamos à trilogia de Rafael Loureiro, com o segundo volume, A Ascensão de Arcana. Esta trilogia está completamente publicada, em português pela Editorial Presença.
   Esta obra continua a história de Daimon. E embora o primeiro volume trouxesse uma sensação de reconhecimento (por serem vampiros, again) e ao mesmo tempo de novidade (pela sociedade ser ligeiramente diferente) que, em conjunto, alegravam um pouco a leitura, essa alegria foi perdida com o segundo volume.
   O enredo foi simplificado numa história de nem duzentas páginas, onde o mistério seria o foco principal, mas que saiu apenas uma aventura digna de filmes de domingo à tarde. Não houve qualquer suspense ou nervosismo ao ler. As personagens pareciam que passeavam pelos cenários a cumprir tarefas sem qualquer emoção que as identificasse com o leitor. E já que falamos em personagens, esse foi um ponto de desilusão também. Embora a obra seja pequena, era de esperar que, para que haja alguma ligação entre personagens e leitores, que as personagens evoluam, que cresçam num bom ou mau sentido, desde que haja mudanças nelas. Isso não aconteceu, aliás, para além do protagonista parece que mais nenhuma personagem existe naquele mundo, são todos bonecos ou fantoches sem qualquer personalidade.
   E parte disso deve-se a um factor muito importante: a escrita. A escrita do autor não evoluiu do primeiro para o segundo volume. À escrita simples e demasiado directa associada a uma primeira obra de um autor, pensei que fosse eventualmente haver uma evolução onde o autor fosse melhorando com a trilogia. Isso não aconteceu, este segundo volume continuou com uma escrita demasiado simples, recorrendo a apoios de escrita demasiado básicos, e se antes isso era desculpável num primeiro volume, deixou de o ser quando se chegou ao segundo. Ainda tenho esperança de que no terceiro e último volume, a escrita melhore, e com ela a história, mas para já terei de dar uma pausa a este autor e avançar com outras obras.
   É um livro que deixou muito a desejar, mas que felizmente não era grande e, portanto, foi lido num ápice. Veremos como o terceiro volume estará... Caso queiram saber mais sobre o primeiro volume, basta seguirem o link: Crítica - Memórias de um Vampiro
   Boas leituras... ;)
3/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas