quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Irmandade - Oliver Bowden

   "Roma, outrora poderosa, jaz em ruínas. A cidade está impregnada de sofrimento e degradação, os seus cidadãos vivem sob a sombra da impiedosa família dos Bórgia. Apenas um homem poderá libertar o povo da tirania Bórgia: Ezio Auditore, o Mestre Assassino.
   A demanda de Ezio irá testá-lo até aos seus limites. César Bórgia, um homem mais malévolo e perigoso que o seu pai, o Papa, não descansará enquanto não tiver conquistado Itália. Nestes tempos tão traiçoeiros, a conspiração está por todo o lado, até no meio da própria Irmandade..."

   Boas Leitores!
   Primeiro tivemos a Renascença, agora chegou Irmandade. É verdade, o segundo livro da saga Assassin's Creed já chegou ao blogue, permitindo-nos viajar para o mundo que é a Itália da época dos descobrimentos. Esta obra é uma adaptação do jogo com o mesmo nome.
   Curiosamente, eu não joguei esse jogo da saga (apenas a trilogia principal foi jogada), pelo que quando comecei a minha leitura pensava que iria seguir o mesmo plano que nos jogos. Fui surpreendido por não ser como esperava. Ler um livro cujo jogo nunca joguei deu-me assim a possibilidade de ler uma obra que é uma adaptação dum jogo sem estar spoilado pelo jogo como aconteceu com o primeiro volume.
   A história não é má, o enredo tem umas boas premissas que giram um pouco à volta dum género policial. No entanto a sensação de jogo continua lá. Enquanto lia conseguia discernir onde separar para criar "missões" do jogo e onde entrariam as partes cinemáticas. Claro que isto tirou-me um pouco do ambiente do livro e jogou contra a obra.
   Na minha opinião o autor deveria ter tentado separar um pouco mais o livro do jogo, não alterando o enredo, mas sim a maneira como as personagens falavam ou mesmo as descrições das ações. Parecia tudo já demasiado planeado, como se o autor tivesse apenas feito uma transcrição do jogo para o livro.
   No início parecia ainda haver uma evolução das personagens, com certos momentos de desenvolvimento psicológico, mas isso pareceu-me também estagnar a meio e só no final voltou a despertar.
   Outro ponto a referir no enredo é que esta história não contribui muito para o que é o enredo da saga. Normalmente os jogos seguem uma personagem diferente em cada jogo, esta obra seguiu a mesma personagem do primeiro livro, onde esta não seguiu a história principal mas tomou uma rota secundária para poder dar um final "como deve de ser" à personagem.
   Este volume esteve ligeiramente melhor que o anterior, não sei se pela minha ignorância quanto ou jogo, ou se o autor tomou mais liberdades, tornando-o melhor. Caso queiram saber mais sobre a primeira parte desta saga, sigam o link: Crítica - Renascença
   Boas Leituras... ;)
6.5/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas