sábado, 4 de abril de 2015

Uma Morte Súbita - J. K. Rowling

   "Pagford é uma idílica cidade inglesa, com uma praça principal em pedra de calçada e uma antiga abadia. No entanto, este belo cenário não passa de uma aparência que esconde uma cidade em guerra. Os ricos em guerra com os pobres, os adolescentes em guerra com os pais, as mulheres em guerra com os maridos, os professores em guerra com os seus alunos... Pagford não é o que parece à primeira vista. A história começa quando Barry Fairbrother, membro da Assembleia Comunitária, morre aos quarenta e poucos anos. Pagford entra em estado de choque e o lugar que ficou vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas? É a partir de um enredo intrincado que J. K. Rowling cria um universo ficcional minucioso e consistente, a que não falta um toque de noir, caracterizando as personagens e respetivos estratos sociais com uma grande sensibilidade e a lucidez de quem sabe observar a partir de múltiplos pontos de vista."

   Boas Leitores!!
   Uma nova opinião no blogue! De uma das autoras que mais marcou a fantasia juvenil... J. K. Rowling, autora da saga Harry Potter! Sim, o certo é que este livro aqui não é de todo para quem gostou da saga juvenil.
   Este é um chamado "livro para adultos" o suposto livro escrito por Rowling para a geração que cresceu a ler Harry Potter e que queria continuar ao lado dela. Um livro isolado.
   Estava curioso para ler este livro, por variadas razões: para ver como seria uma história escrita por ela que não se centrasse na fantasia, para ver como seria a escrita dela comparado com a saga anterior, entre muitos outros pontos.
   Quanto à história, acho que saí um pouco desiludido. Teve um bom início, interessante, mas depois a imensidão de nomes e de personagens diferentes, introduzidas na história quase sem qualquer pausa achei muito confuso. Só após cerca de 150 páginas é que consegui perceber que personagens eram quais, e quais as respetivas famílias e enredos. O  final voltou a ganhar algum interesse mas apenas por ser o fim, acabando num climáx como seria de esperar.
   O certo é que podemos dizer que toda a obra é quase como uma novela que dá num canal de televisão. Vários dramas, várias personagens, todas acabando por ligar-se por algo em comum. Por vezes não havia profundidade nas histórias, outras vezes nas personagens.
   O ponto positivo foi que gostei da escrita dela. Notou-se bem a diferença, não só pelo decorrer do livro mas também ao tratar de certos assuntos apercebia-me que era como se estivesse a ler algo de um novo autor e não da mesma pessoa que escreveu a saga que li na minha infância.
   Não é de todo a melhor obra dela que por aí anda, Harry Potter está bem melhor, e claro que não devia compará-los por estarem em géneros diferentes, mas é impossível não compará-los quando a primeira saga se trata de algo que marcou imensa gente.
   Boas Leituras... ;)
6/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas