quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Desculpa, Mas Quero Casar Contigo - Federico Moccia

   "Alex e Niki, mais apaixonados do que nunca, regressam do farol na Ilha Azul, onde passaram dias inesquecíveis.
   Niki reencontra as amigas, mas o seu grupo - as Ondas - vai deparar-se com grandes mudanças que irão pôr à prova a sua amizade.
   Alex retorna a sua antiga vida e os seus velhos amigos. Flavio, Enrico e Pedro passaram de maridos tranquilos e seguros a ter de enfrentar muitas dificuldades que têm vindo a abalar os seus casamentos.
   E todas estas pessoas - homens e mulheres de diferentes idades -, cada uma à sua maneira, vão reflectir sobre o amor. O amor existe? A crise dos sete anos será mesmo verdade? Aqueles que dizem que o amor não pode durar mais de três anos têm razão? E a pergunta mais difícil: O amor pode durar para sempre?
   É então que Alex decide arriscar e pedir Niki em casamento..."

   Boas leitores...
   Antes de começar a escrever sobre o livro deixem-me desejar-vos umas boas entradas no ano que aí vem e que 2015 seja um ano brilhante em leituras, não só para mim, mas também para todos vós!
   Agora sim, livros. Outro do autor italiano Federico Moccia, sim parece que ando a ler muitos livros dele, mas agora vai parar e vou direccionar-me para outros livros. Este é a continuação de uma primeira obra, que no final da crítica vai estar um link da opinião que tive sobre esse livro que podem espreitar à vontade.
   Já se tinham passado quatro belos anos desde que li o livro anterior pelo que a história já estava meia difusa na minha cabeça, lembrava-me vagamente do romance e dos pontos-chave da história. O que bastou porque facilmente consegui recordar-me das coisas, com grande ajuda da escrita simples do autor (apesar de de vez em quando ter uns parágrafos um pouco grandes que podiam ser divididos em mais, mas isso é um problema geral da escrita dele, já reparei).
   Relativamente a enredo, nada de especial, continua a ser um livro equivalente a um "filme de domingo à tarde" (apesar de cá em Portugal já não passarem muitos infelizmente). Uma comédia romântica quase, onde sabemos que tudo acaba por acabar bem.
   O interessante foi Federico Moccia ter ao mesmo tempo conseguido introduzir diversas histórias diferentes mas que no fundo se relacionam sempre com a mesma coisa, o amor. Vários pontos de vista que gerariam por certo imensa discussão, mas isso deixo ao vosso critério.
   Para o género, é um romance bem actual, sempre com imensas referências a músicas, marcas e outras coisas do século XXI, e que está razoável. Se quiserem saber mais sobre o livro anterior, sigam este link: Crítica - Desculpa, Mas Vou Chamar-te Amor
   Boas Leituras e boa passagem-de-ano! ;)
5.5/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas