domingo, 9 de novembro de 2014

Avatar de Kushiel - Jacqueline Carey

   "Phèdre nó Delaunay é uma mulher atingida pelo Dardo de Kushiel, eleita para toda a vida experimentar a dor e o prazer como uma coisa só. O seu caminho tem sido estranho e perigoso, e ao longo de todo ele o devotado espadachim Joscelin tem estado a seu lado. A natureza dela é uma tortura para ambos, mas ele jamais violou o seu voto: proteger e servir.
   Agora, os planos de Phèdre põem a promessa de Joscelin à prova, já que ela jamais esqueceu o seu amigo de infância, Hyacinthe. Passou dez longos anos em busca da chave para o libertar da sua eterna servidão, um acordo por ele feito com os deuses - tomar o lugar de Phèdre em sacrifício e com isso salvar uma nação. Phèdre não pode perdoar - nem a si própria nem aos deuses. Está determinada a agarrar uma derradeira esperança de redimir o seu amigo, nem que isso signifique a morte.
   A busca irá levar Phèdre e Joscelin mundo fora, para cortes distantes onde reina a loucura e as almas são moeda de troca, e por um lendário rio abaixo até uma terra esquecida de quase todo o mundo.
   E até um poder tão imenso que ninguém ousa proferir o seu nome."

   Boas leitores!
   Lá voltamos nós a ter uma vez mais a autora Jacqueline Carey no blogue, desta vez com o quinto e penúltimo volume desta Saga de Kushiel.
   Fez-se onze meses desde que li o volume anterior da saga, mas isso não foi grande impedimento para me recordar da história, não devido a ser uma obra de arte fantástica que me ficasse na memória mas sim porque os livros começavam a ser sempre a mesma coisa e portanto o enredo era memorizado.
   E foi mais ou menos o que aconteceu agora. Nesta obra continuam a acontecer sempre as mesmas coisas onde há intrigas mas sem qualquer espécie de emoção ou acção. As personagens principais viajam para aqui e acolá sem qualquer verdadeiro propósito, tornando toda a leitura aborrecida e sem qualquer piada.
   Tenho também de falar que há certas partes que começam a raiar o ridículo como a contínua reverência que a protagonista tem por outra personagem que massacrou-a em todos os livros. Entendia se ela sentisse alguma coisa devido ao seu "dom" mas ao ponto de fazer promessas e tarefas por ela já passou o meu limite de razoabilidade. Entendia que isso acontecesse durante um ou dois livros, e não que fosse uma coisa contínua que perde o sentido.
   Outro pormenor foi que a suposta "aventura" que falam na sinopse não acontece de todo. A protagonista quer imenso salvar o seu amigo, mas depois chega a um cruzamento e basicamente adia o salvamento do amigo para ir salvar o filho da inimiga (de forma muito simplificada) o que é ridículo na minha opinião.
   Não obstante, acho certas partes bem descritas, a autora tem talento para escrever cenas eróticas românticas e cenas eróticas brutais de crueldade, mas afinal, se não o fosse toda esta colecção deixaria de ter qualquer sentido.
   Espero que o último volume desta colecção crie um bom final e não mais um livro para vender (que não teve assim tantas vendas cá em Portugal). Se quiserem saber mais do livro anterior da colecção podem ver por este link: Crítica - A Promessa de Kushiel
   Boa Leitura... ;)
4/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas