sábado, 1 de fevereiro de 2014

Cinzas da Meia-Noite - Lara Adrian

   "Quando cai a noite, Claire Roth foge de casa, impelida por uma feroz ameaça que parece ter saído do próprio inferno. Então, de entre as chamas e as cinzas, aparece um guerreiro vampiro. Ele é Andreas Reichen, o seu antigo amante, agora um estranho consumido pela vingança. Apanhada no fogo cruzado, Claire não pode escapar da sua fúria selvagem, nem da fome que a arrasta para o seu mundo de eterna escuridão e infinito prazer.
   Nada impedirá Andreas de destruir o vampiro responsável pelo massacre dos seus irmãos de Raça… mesmo que isso signifique utilizar a ex-amante como isco na sua missão mortífera. Ligada pelo sangue ao seu perigoso adversário, Claire pode conduzir Andreas até ao inimigo que ele procura, mas é um caminho repleto de perigos… e de profundos e inesperados prazeres. Pois Claire é a única mulher que Andreas não deve desejar, e a única que amou. Inicia-se assim uma perigosa sedução que dilui a linha que separa presa e predador e aviva as chamas de uma ardente paixão que pode consumir tudo no seu caminho..."

   Boas Leitores...
   Tal como prometido aqui tenho uma nova crítica e a última (por uns bons tempos) que se relaciona com esta colecção. A saga Raça da Noite que tem pelo menos 7 volumes publicados cá em Portugal tem uns dez ou mais na língua original. Este é o sexto que há cá.
   Mais uma vez reclamo do mesmo que se passa em todos os livros, o mesmo padrão que após cinco livros torna-se exasperante. Este então volta ao padrão de vampiro perigoso, rapariga indefesa, blá blá blá acabam juntos, como sempre. A autora poderia ser muito mais original e inventar histórias diferentes de vez em quando.
   A única coisa positiva neste livro foi a personagem principal chamar-se Andreas, cujo diminutivo é Andre, o meu nome, e para eu considerar isso um ponto positivo é porque deste livro não se aproveita quase nada. Vá que a escrita continua razoável, vê-se bem as emoções que as personagens passam e sentem. E as descrições das cenas eróticas continuam pormenorizadas.
   Talvez esta exasperação também esteja relacionada com ter lido todos os livros seguidos, como é sempre o mesmo padrão é como se lê-se 6 vezes a mesma coisa, o que é aborrecido a partir da 3ª vez.
   Mas enfim, para quem gostou da colecção, ou está interessado em lê-la podem ver a crítica ao volume anterior por este link: Crítica - O Véu da Meia-Noite
   Para comprarem o livro, se estão com muitas saudades desta colecção, podem fazê-lo por este link, para ajudarem o blogue: Wook
   Boas leituras... ;)
5/10

André

0 comentários:

Enviar um comentário

Páginas Comentadas